Movimento 560

 
Questões mais frequentes:


O que é o código de barras?
Em 1977 foi criada a EAN (European Article Numbering/Numeração de Artigos Europeus), com o objectivo de estabelecer as directrizes referentes à implementação do sistema de código de barras no mercado europeu. Em 1981, a EAN-13 tornou-se a associação internacional de numeração de artigos, sendo a sua sede em Bruxelas. Na distribuição "inicial" do código de barras, distinguiam-se, 3 dígitos para a identificação nacional, 4 dígitos para a identificação da empresa, 5 dígitos para o produto e 1 dígito para o dígito de controlo. Actualmente o sistema padrão usado, é o EAN-UCC, também conhecido como GS1.
  
A que países correspondem os outros códigos de barras?
Essa informação pode ser encontrada, carregando aqui.

Todo os produtos que têm o código de barras 560 são portugueses?
Teoricamente sim, no entanto existem situações em que simplesmente as empresas portuguesas (tal como as estrangeiras), se servem deste facto como "meio de logística". Isto é, uma empresa portuguesa, pode adquirir um código de barras nacional e usá-lo para catalogar os produtos no nosso mercado podendo esses produtos terem sido feitos fora do nosso país, no entanto estas situações são posteriormente fáceis de detectar. Partindo desde pressuposto, existem dois passos a tomar sempre que vamos comprar um produto, verificar se o produto tem o código 560 e seguidamente verificar o local de fabrico ou de origem. A situação acima referida é perfeitamente legal, portanto resumindo todos os produtos começados por 560 ou são feitos em Portugal ou distribuídos por uma empresa portuguesa.

Os produtos portugueses são de qualidade inferior?
Não. Em todo o lado existem bons e maus produtos, em Portugal também, portanto partir deste pressuposto, é estar completamente errado.

O Movimento 560 pretende que só se compre produtos portugueses?
Não. O Movimento 560 pretende que sempre que justifique, tendo em conta factores como o preço e a qualidade, se possa ter em consideração a aquisição de um produto nacional, dado que este ajuda na manutenção dos postos de trabalho em Portugal e no desenvolvimento da  economia portuguesa.

O Movimento 560 cria um proteccionismo às entidades/empresas portuguesas?!
Não. Devemos todos estar conscientes que o proteccionismo a entidades pode tornar-se simplesmente absurdo se realizado em excesso. Por outro lado, a concorrência é um aspecto saudável em qualquer mercado, o Movimento 560 não defende nem pede que se apoiem fanaticamente as empresas ou marcas portuguesas, apelamos simplesmente que defendamos o que é nosso e o que é bom para nossa comunidade e para o nosso país. Ao mesmo tempo, esperamos que exista um pouco de seriedade por parte dos empresários portugueses de forma a não se aproveitarem das pessoas que tentam tomar uma "atitude consumista nacional" e, desta forma, não tentem tirar proveitos próprios exagerados já que à partida a atitude dos seus clientes lhes traria somente benefícios. Esperamos honestidade e lealdade para com os consumidores e nada de oportunismo e egoísmo. 

Quem está por detrás do Movimento 560? Empresas? Grupos Políticos? Religião?
Não. O Movimento 560 é coordenado por pessoas independentes, fora de partidos políticos, religiosos, associações ou grupos juvenis, nenhuma entidade impulsionou à criação do Movimento 560 e nenhuma o sustenta. O Movimento 560 não ambiciona qualquer regalia. Simplesmente ambicionamos benefícios para todos os portugueses e para o nosso país.


topo |